Sintomas cognitivos combinados com níveis elevados de certas proteínas formam a base para o diagnóstico da doença de Alzheimer. Ao mesmo tempo, pesquisadores e médicos reconheceram, na última década, que mudanças no humor e no comportamento são frequentemente sinais muito precoces da doença. No entanto, esses sintomas não receberam tanta atenção científica quanto os cognitivos.

Agora, pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, investigaram as relações complexas entre sintomas psicológicos, proteínas de Alzheimer e sintomas cognitivos.

Quase uma década

O estudo, publicado recentemente na Biological Psychiatry, examinou 356 pessoas com mais de 65 anos sem sintomas cognitivos no início da pesquisa. Os participantes foram acompanhados semestralmente, por um total de oito anos.

Quando os dados foram analisados, os pesquisadores encontraram uma ligação clara entre níveis elevados de beta-amiloide no início do estudo e o desenvolvimento futuro de ansiedade e apatia.Segundo os pesquisadores, a doença de Alzheimer afeta grandes partes do cérebro, incluindo as regiões que controlam nossa vida emocional.

Desenvolvimento da apatia

Os pesquisadores demonstraram ainda que a beta-amiloide impulsiona o desenvolvimento da apatia predominantemente por meio de efeitos diretos, e que a apatia evolui apenas até certo ponto secundariamente ao declínio cognitivo. A ansiedade não estava ligada à mudança cognitiva.

As descobertas argumentam contra a ideia de que essas mudanças iniciais na emoção e motivação na doença de Alzheimer são principalmente reações psicológicas ao declínio cognitivo. Em vez disso, os resultados sugerem que, pelo menos para apatia e ansiedade, elas ocorrem devido ao acúmulo patológico de beta-amiloide.

Sintomas psiquiátricos

As descobertas implicam que os sintomas psiquiátricos na doença de Alzheimer podem ser usados ​​como medidas alternativas de resultados em ensaios de tratamento. Em última análise, isso pode levar a um desenho de estudo mais eficaz. O próximo passo é tentar esclarecer como esses sintomas podem contribuir ao desenvolvimento da apatia estabelecido nos estágios iniciais da doença, possivelmente antes mesmo que a cognição tenha sido afetada.