logoterapia

Ana Cunha e Juliana Menezes e Stephanie Veloso

O processo de autotranscendência nos relacionamentos

Nas relações humanas, a busca pela autorrealização tem sido um objetivo constante, o que leva as pessoas a se fecharem e evitarem os relacionamentos. Na sociedade contemporânea, os laços relacionais podem ser menos duradouros, sendo efêmeros diante um conflito qualquer.

Leia Mais »
Ana Cristina Barros da Cunha e Beatriz Miyata Teixeira

Depressão e comportamento suicida se relacionam

Quem sofre de depressão, tem dificuldade de encontrar solução para os conflitos e essa sensação pode ser o principal fator desencadeador do suicídio, já que a depressão é um dos transtornos mentais mais prevalentes nos casos de suicídio, mas não o único.

Leia Mais »
Ana Cristina Barros da Cunha e Beatriz Miyata Teixeira

Valores existenciais na prevenção ao suicídio materno

Estudiosos avaliam que, embora o ciclo gravídico gere grandes angústias na mulher, com prevalência relativamente alta de sintomas depressivos e comportamento suicida entre gestantes, a gravidez e a maternidade podem ser fatores protetivos ao suicídio, principalmente nos anos seguintes à gestação.

Leia Mais »
Ana Cristina Barros da Cunha e Maísa Ferreira da Silva

Sexo Frágil ou Mulher Maravilha?

As conquistas femininas precisam ser merecidamente valorizadas, porém, a auto-exigência no esforço contínuo de superação é vetor do silenciamento feminino, que leva ao adoecimento psíquico com respostas psicossomáticas a um grande contingente de mulheres por todo o mundo.

Leia Mais »
Ana Cristina Barros da Cunha e Maísa Ferreira da Silva

De rainha do lar ao Ser Mulher histérica

A mulher é um ser de múltiplos fascínios desde os tempos mais remotos da humanidade. É um Ser cor de rosa ou com matizes coloridas ainda indefinidas? Com a identidade estruturada sob ideários sociais, a mulher adoece e sua saúde mental sofre.

Leia Mais »
Ana Cristina Barros da Cunha e Maísa Ferreira da Silva

Emoções e sentimentos bagunçados

Embora o isolamento seja físico e não afetivo (e para isso contamos com a Internet), a pandemia transformou essencialmente as relações humanas, tanto das pessoas consigo próprias, como umas com as outras.

Leia Mais »
Ana Cristina Barros da Cunha e Maísa Ferreira da Silva

Comer emoções para nutrir o vazio existencial

Os efeitos da pandemia influenciam até nas escolhas alimentares. Os fenômenos acontecem nas dimensões do corpo, da mente e do espírito de forma interligada. Com a comida não é diferente. Ela também é sentida por todas essas dimensões.

Leia Mais »